domingo, 2 de abril de 2017

 " Parabéns" a  Secretaria municipal de segurança publica e defesa social de             Natal  ( semdes ) por estes oito anos de conquistas!!!


Programa Semente Cidadã comemora oito anos trabalhando prevenção em prol da segurança pública

Momento reuniu gestores, instrutores, pais e alunos do Programa Semente Cidadã
A Secretaria Municipal de Segurança Pública e Defesa Social (Semdes) comemorou na tarde deste sábado (1º) o aniversário de oito anos das ações de segurança preventiva com foco no fortalecimento da cultura de paz e cidadania promovidas pela Prefeitura por meio do Programa Semente Cidadã (Prosemc), que atende com atividades sociais mais de 100 crianças e adolescentes residentes na zona Norte de Natal. A festividade aconteceu nas instalações do Ginásio Poliesportivo Nélio Dias e reuniu o titular da Semdes, João Paulo Mendes, o subcomandante de Segurança da GMN, Alberfran Grilo, que representou o comandante da GMN, Michel Dantas, além de instrutores, pais e alunos do Prosemc.

O evento foi aberto com o Hino Nacional Brasileiro e logo em seguida foi realizada uma benção ecumênica. A senhora Ilza Solange, que tem filho, netos e sobrinhos atendidos pela ação social, deu seu depoimento relatando a importância das atividades socioeducativas para a formação cidadã dos seus parentes. “Agradeço de coração a Guarda Municipal e a toda equipe do programa por nos ajudar na formação de nossos filhos”, falou.

Titular da Semdes, João Paulo Mendes, ressaltou a importância do Programa
O momento contou com uma homenagem a todos os guardas municipais que atuaram como gestores do Semente Cidadã, desde o primeiro gestor, saudoso Chefe de Grupo de Ação Abinael Freitas, passando pelos CGAs Hertes Borges e Alexandre Melo, e agora na gestão do guarda municipal Cláudio Paiva.

O titular da Semdes, João Paulo Mendes, participou da atividade festiva e falou da importância do Programa anunciando mais apoio para as atividades socioeducativas com a aprovação de investimento do Fundo da Infância e Adolescência. “Temos um cuidado especial com os programas sociais da Guarda Municipal e anuncio que neste ano o Semente Cidadã contará com mais R$ 25 mil do Comdica para reforça suas atividades de cidadania”, revelou.

O subcomandante de Segurança da GMN, Alberfran Grilo, ressaltou a dimensão do Semente Cidadã como medida de prevenção à criminalidade e a violência. “Este é um projeto que a Guarda Municipal tem a maior honra em apoiar, pois aqui trabalhamos a prevenção que deve garantir a segurança da nossa sociedade”, comentou.

Programa Semente Cidadã atende mais de 100 alunos na zona Norte
Já o coordenador do Prosemc, Cláudio Paiva, apoiou sua fala na concepção do exemplo do ser cidadão, mostrando que o trabalho de instrução oferecido pelos guardas municipais traz conceitos e experiências importantes para a formação do caráter dos alunos atendidos pelo Semente Cidadã. “Nosso trabalho pode fazer com que a vida dessas crianças e futuros adultos seja sadia e próxima da paz social”, disse.

Na ocasião, foi entregue as instalações de um mini auditório que recebeu o nome do CGC Abinael Freitas Neves, guarda municipal vitimado enquanto prestava serviço à sociedade. O mini auditório foi inaugurado pela e viúva do CGA Freitas, que se fez presente juntamente com o seu filho.

A festividade foi encerrada com a leitura de uma homenagem ao primeiro gestor do Semente Cidadã, CGA Freitas, realizada pela guarda municipal e cerimonialista, Carla Cristiane. O momento contou ainda com um lanche de confraternização reunindo gestores, instrutores, pais e alunos do Programa Semente Cidadã.


Texto: Assecom GMN.
Contato: assecomgmn@hotmail.com.

quarta-feira, 29 de março de 2017

Regra para guarda municipal portar arma pode mudar    A Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados está analisando o Projeto de Lei 3854/04, do deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), que autoriza o porte de arma pelos integrantes das guardas municipais, independentemente da quantidade de habitantes dos municípios. O Estatuto do Desarmamento, aprovado pelo Congresso no ano passado, permitia o porte de arma pelas guardas municipais somente em cidades com mais de 500 mil habitantes. O dispositivo foi alterado pela Medida Provisória 157/03, que reduziu esse limite para 50 mil habitantes.

Tramitação
    O projeto de Sampaio foi apensado ao PL 1332/03, do deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), que regulamenta as atribuições das guardas municipais; prevê o uso de arma e uniforme pela corporação; e cria, no âmbito do Ministério da Justiça, o Conselho Federal das Guardas Civis. A proposição tramita em caráter conclusivo na Comissão de Segurança Pública, onde aguarda parecer do relator, deputado Ronaldo Vasconcellos (PTB-MG), e ainda será analisada pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

PEC
    Sobre o mesmo assunto, a Câmara também analisa a Proposta de Emenda à Constituição 534/02. O texto atribui à União competência para criar, organizar e manter a guarda nacional; e determina como finalidade das guardas municipais a proteção à população, a bens, a serviços, a instalações e a logradouros públicos dos municípios. A PEC está sendo analisada por uma comissão especial.


Fonte: Agência Câmara

domingo, 14 de abril de 2013

Confronto entre camelôs e Guarda Municipal no Rio termina com presos e feridos

Guardas municipais foram agredidos por reprimir venda de CDs piratas.
Mais de 100 agentes reforçam patrulhamento no Centro da cidade.
Duas pessoas foram presas e três guardas municipais feridos após confronto camelôs, por volta das 16h desta sexta-feira (14), nas proximidades do comércio popular da Uruguaiana, no Centro do Rio.

De acordo com informações da GM-Rio, o conflito começou depois que uma dupla de agentes tentou apreender CDs e DVDs piratas em uma das barracas localizada na esquina entre as ruas Buenos Aires e Uruguaiana. Houve resistência, e a confusão começou.

Na versão dos camelôs, foram os guardas que começaram a briga, ao recolherem mercadorias de um ambulante que vendia acessórios para celular.

Segundo Lima Castro, os camelôs atiraram pedras em direção aos guardas. Os três agentes feridos foram encaminhados ao Hospital Souza Aguiar, também no Centro. De acordo com a corporação, Fernando Júnior sofreu ferimentos na cabeça e precisou levar pontos, enquanto Douglas Stagnolo foi atingido no braço.

Na confusão, um pedestre, que também foi atingido por uma pedrada, foi socorrido pelos guardas municipais e levado para o mesmo hospital. Ainda não há informações sobre seu estado de saúde.

Após o tumulto, dois camelôs foram presos e e encaminhados para a 1ª DP (rua da Relação).

Reforço na segurança
Após a confusão, a Guarda Municipal reforçou a segurança em pontos estratégicos no local. Ao todo, 140 homens estão na Uruguaiana. Policiais militares do 5º BPM (Praça da Harmonia) também ajudam no patrulhamento.

Por volta das 17h20, o clima era de aparente tranquilidade no entorno do camelódromo. No entanto, alguns comerciantes optaram por fechar suas lojas.

O comandante da GM-Rio, coronel Lima Castro, disse que não há informações de que os guardas tenham usado spray de pimenta ou bala de borracha durante o conflito. “Se houve algum excesso, caso haja queixa ou reclamação, estamos aqui para receber”, disse o comandante.

FONTE:G1
DIA 17 DE MAIO DE 2013 - PRIMEIRA MARCHA AZUL MARINHO PERNAMBUCANA - EM GARANHUNS 

Estamos convocando todas as Guardas Municipais de Pernambuco e do Brasil para participarem da Primeira Marcha Azul Marinho em Pernambuco. Em breve mais informações Vamos apoiar as Guardas Municipais de Pernambuco, as Guardas Municipais só serão forte quando em todo o país estiverem efetivamente realizando segurança pública. Estamos preparando uma programação de excelência, aguarde os nomes dos palestrantes.
Guardas municipais e policiais militares agem na tentativa de capturar assaltante

GMs e PMs chegaram no local instantes após o assalto.

Agentes da Ronda Ostensiva da Guarda Municipal do Natal (ROMU/GMN) atuaram em conjunto com policiais militares na perseguição de um homem que assaltou, na manhã desta quinta-feira (04), uma loja de eletrodomésticos situada na avenida Rio Branco, Centro.

O assaltante chegou à loja e agiu com rapidez rendendo os funcionários, que foram trancados no escritório do estabelecimento. O bandido levou consigo celulares, máquinas fotográficas digitais e notebooks. O material foi acondicionado em uma sacola com a logomarca da loja. Um funcionário do local informou que o homem se apresentou bem vestido e agiu sozinho intimidando os trabalhadores com uma arma de fogo.

Os guardas municipais e os policiais militares se encontravam em patrulhamento na região no momento do assalto e tentaram capturar o bandido que empreendeu fuga a pé. O quarteirão da área foi cercado no intuito de localizar o assaltante através das características descritas pelas vítimas do delito.

Segundo o GM Durvalino, o patrulhamento foi intensificado no bairro na tentativa de capturar o transgressor.


Texto: Assecom GMN.
Imagem: Magnus Nascimento.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Mensagens de ano novo evangelicas

PORTE DE ARMA DE FOGO DA CORPORAÇÃO, PORTE DE ARMA DE FOGO PARTICULAR, ASSINAR O CONVÊNIO OU NÃO ASSINAR???, CONCEDER OU NÃO CONCEDER??? EIS A QUESTÃO...





Desde a consulta pública para a elaboração do chamado “Estatuto do Desarmamento”, tenho participado de maneira ativa e presente na questão relativa as garantias e reservas legais quanto ao direito a aquisição, registro, posse e porte de arma de fogo por parte da classe funcional de Guardas Municipais, minha participação tem fundamentação no fato de acompanhar de perto todas as movimentações relativas a este quesito e faço isso há um certo tempo, sempre estudando o Regulamento de Fiscalização de Produtos Controlados do Comando do Exército Brasileiro o R-105, e as Portarias Administrativas que tratam desses assuntos, documentos de ordem legal que normatizam e regulam a classificação, industrialização, armazenamento, distribuição, controle e destruição dos chamados “Produtos Controlados”, e que contém no seu interior algumas normas que se aplicam diretamente as Guardas Municipais.
Em 1997 o Governo Federal editou norma reguladora e criminalizou a posse ilegal de arma de fogo, que até então era apenas uma contravenção penal com previsão de pena mínima e pagamento de multa, (Artigo 19 da LCP), na edição dessa norma jurídica em formato de Lei Federal, as Guardas Municipais foram afastadas e não contempladas com o direito que é o de adquirir, registrar, possuir em reserva e portar armas de fogo, item essencial ao fiel cumprimento dos deveres inerentes a função de Guarda Municipal, pois não podemos dar plenas garantias a terceiros, se não as tivermos essas garantias primeiro. Para oferecer segurança, temos de ter segurança, esse é um dos pilares da Doutrina de Segurança Pública e Patrimonial, ensinado logo nos primeiros dias dos cursos relativos a essa disciplina, não podemos dar aos outros aquilo que não temos, foram anos de ostracismos e guerras travadas nos Tribunais de Justiça, com vencidos e vencedores de ambos os lados, (Guardas Municipais, Prefeituras e Comando do Exército Brasileiro por meio dos seus Serviços de Fiscalização de Produtos Controlados - SFPC), até mesmo o direito de adquirir munições para treinamentos das Guardas Municipais naquele período foi “suspenso”, a Lei 9.437 de 1997 e o seu Decreto 2.222 de 1997 foram feitas “sob encomenda” dos setores mais conservadores, como não houve ha época nenhuma manifestação e mobilização politica de nossa parte, ficamos a margem do graças a D-us, falecidos diplomas legais, extintos em boa e merecida hora.
Em meados de 2004, a fim de melhorar o controle do armamento e promover o desarmamento o Governo Federal novamente edita uma lei mais extensa, aumentando a pena para a fabricação, armazenamento, venda, posse e porte de arma de fogo sem os devidos requisitos legais, um verdadeiro avanço social para tentar minorar a questão das mortes provocadas por armas de fogo em nosso país, os resultados já podem ser vistos e mensurados de forma prática.
Para a elaboração dessa lei jurídica houve consulta pública, setores representativos foram ouvidos e as Guardas Municipais foram elencadas, contempladas e prestigiadas, ainda que se pese o fato inexplicável, inconstitucional e sem nexo racional, de haver vedação para aquisição, registro, posse e porte de arma de fogo por parte de Guardas Municipais de cidades cuja população seja inferior a 50.000 habitantes, podemos considerar o verdadeiro avanço na questão, tal lei a GARANTE de forma CLARA e OBJETIVA o DIREITO AO PORTE DE ARMA, em SERVIÇO para aquelas cidades com população entre 50.000 e 500.000 habitantes ou inseridas em Regiões Metropolitanas e Capitais dos Estados, e em serviço e fora dele para as cidades com população superior a 500.000 habitantes, evidente que tal legislação não é a ideal para nosso segmento, pois o porte de arma de fogo, como disse anteriormente é “inerente as nossas funções de resguardar os bens, serviços e instalações municipais, o patrimônio ambiental, a ordem pública e a paz social que deve reinar em meio a sociedade”.
Ao estudar de forma mais precisa e demorada ao “Estatuto do Desarmamento”, seu Decreto Regulamentador, a Portaria DG 365 da Polícia Federal e as Portarias do Comando do Exército que tratam dessa temática, poderá ser constatado que tal direito é uma ASSERTIVA CLARA E OBJETIVA, não deixa espaços para permitir discussões, enquetes, pesquisas de opinião ou outros questionamentos que são subterfúgios para NÃO ARMAR a Corporação de Guarda Municipal, dotando-a de essencial meio de garantia do aumento de potencial defensivo de seus integrantes, se o Médico não pode operar sem seu bisturi ou o Professor ensinar sem seus livros, como poderá o Guarda Municipal dar garantias de segurança se não tiver a sua disposição meios mínimos de auto proteção e da proteção de terceiros para fazer cessar ações onde a ameaça de armas de fogo possa ser efetivada, e os marginais o fazem, pois para eles não há “Estatuto do Desarmamento”, “Quantitativo Populacional”, “Cursos e Treinamentos”, simplesmente se armam e vão agredir a sociedade, da qual o Guarda Municipal faz parte, pois antes de ser profissional de Segurança Pública é um cidadão, e sendo cidadão é dotado de todos os direitos inerentes a pessoa humana, inclusive o da Legitima Defesa, os subterfúgios e os pretextos utilizado por certos Gestores Públicos, para reduzir a capacidade operacional e o potencial defensivo de nossos Guardas Municipais, causa antes de tudo INDIGNAÇÃO, alguns não assinam o Termo de Convênio por desconhecimento, outros por maldade mesmo, e outros por completo desconhecimento da legislação e péssimas assessorias jurídicas que tem de contratar em virtude de compromissos de campanha, já tive a oportunidade de analisar alguns “pareceres contrários ao armamento para a Guarda Municipal”, dignos de riso e piedade.
Abordo o presente tema em vista de ser consultado por mais de uma dezena de representações e lideranças de Guardas Municipais sobre assuntos relacionados os quais ordenei na forma como foram feitos e passo a responder de forma isenta e técnica, com embasamento legal da interpretação feita de forma sistematizada da legislação e da jurisprudência já consolidada.
1. Alguma Lei municipal ou estadual pode impedir determinada Corporação de Guarda Municipal de ser armada com armas de uso e calibre permitido, caso ela já preencha requisitos técnicos, legais e de quantitativo populacional?
-Em absoluto, nenhuma lei municipal pode se sobrepor a uma lei federal, qualquer norma municipal quanto a isso é ILEGAL e não possui nenhum valor, pois o mérito da lei em questão atinge norma superior de ordem federal, tais abusos devem se desconsiderados, os interessados (Associações, Grêmios e Sindicatos) podem ingressar com ação na justiça pública solicitando providências no sentido de que seja emitido alvará de decretação de nulidade jurídica de tal abuso disfarçado em forma de legislação, interpretação sistemática da doutrina da chamada “hierarquia das leis jurídicas”.
2. As Corporações de Guarda Municipal podem adquirir suas armas de fogo de quais calibres e sistemas de funcionamento?
-Poderão adquirir revolveres até o calibre .38 Spl e pistolas semi automáticas até o .380 ACP, e espingardas e carabinas com funcionamento de repetição ou semi automático até o calibre 12, sendo que as pistolas podem ter carregadores com capacidade até 19 cartuchos e as espingardas e carabinas carregadores com capacidade de até 10 cartuchos, observação feita pela Portaria Reservada nº. 005 de março de 2005 do Comando do Exército Brasileiro.
3. Há necessidade de treinamento prévio para aquisição de armas de fogo por parte das Corporações de Guardas Municipais?
-Não, a Lei 10.826/03 e o Decreto 5.123/04, bem como a Portaria DG 365 do DPF e a Portaria Reservada 005 do Comando do Exército Brasileiro, não fazem previsão de qualquer espécie de treinamento prévio dos agentes para que a Corporação faça a aquisição, para a aquisição basta preencher o requisito populacional, local seguro para guarda e manutenção do armamento e a autorização prévia do Serviço de Fiscalização de Produtos Controlados – SFPC do Exército Brasileiro, em momento algum tais regulamentos jurídicos descrevem qualquer tipo de treinamento prévio, há muita invenção e folclore ligado a essa questão.
4. Para formalização do Termo de Convênio com as Superintendências de Policia Federal a fim de que seja autorizada a emissão dos Portes de Arma de Fogo, quais são os requisitos técnicos e legais previstos?
-Possuir quantitativo populacional atestado pelo IBGE em pesquisa de censo demográfico, ou estarem inseridas dentro de Regiões Metropolitanas;
-Possuir Guarda Municipal ou Guarda Civil Municipal, criada por meio de Lei especifica;
-O município possuir Ouvidoria Municipal;
-O município instituir a Corregedoria da Guarda Civil Municipal, por meio de Lei;
-Manifestar interesse mediante Oficio ao Superintendente de Polícia Federal;
-Preencher o Termo de Convênio no modelo elaborado pelo DPF;
-Publicar o extrato do Termo de Convênio no Diário Oficial da União;
-Avaliar por meio de profissionais de psicologia os agentes da Guarda Municipal quanto a estabilidade emocional e o inventário de personalidade para porte de arma de fogo;
-Capacitar os agentes da Guarda Municipal em treinamentos práticos para uso de arma de fogo, a legislação preconiza as técnicas de “tiro defensivo”;
-Avaliar os agentes da Guarda Municipal por meio de Instrutor de Armamento e Tiro credenciado pelo DPF, os agentes devem conhecer legislação básica de arma de fogo e munições, possuir conhecimentos de segurança com armas e munições e efetuar uma série de disparos em alvo humanoide e no alvo colorido conforme norma do CONAT do DPF;
-Reunir cópias de documentos pessoais, cópia de endereço físico do GM/GCM, Certidões de distribuição e execução criminal, eleitoral e Justiça Federal e Justiça Militar Federal e Estadual, reunir também os laudos do teste de psicologia e de manuseio de arma de fogo, em pasta própria., tais documentos devem permanecer nas respectivas sedes de Guarda Municipal/Guarda Civil Municipal;
-Oficiar ao Superintendente de Polícia Federal informando que foi cumprido todos os requisitos técnicos e legais para a emissão dos portes de arma de fogo, relacionar as armas adquiridas e os dados dos GM/GCM que deverão receber o numero do porte de arma de fogo;
-Aguardar o retorno do Oficio de autorização e expedir as respectivas Identidades Funcionais constando o direito ao porte de arma de fogo, tudo na conformidade da Portaria Administrativa DG 365 da Superintendência Nacional de Polícia Federal.
5. Os Guardas Municipais tem direito assegurado quanto a receberem armas de fogo de suas Corporações?
Sim, esse direito foi assegurado na Lei 10.826/03, há previsão de fornecimento de arma de fogo aos Guardas Municipais/Guardas Civis Municipais que integrem Corporações em cidades cuja população seja superior a 500.000 habitantes, a legislação prevê o direito ao porte e o direito de que seja “consignado em carga” o respectivo armamento de uso corporativo, conforme regra do § 1º do Artigo 6º da citada Lei.
6. Os portes de arma de fogo de natureza particular dependem de aprovação do Superintendente de Polícia Federal?
Não, a legislação não faz essa previsão, uma vez formalizado o convênio para a emissão do porte de arma de fogo na categoria funcional e preenchido o requisito populacional ou geográfico, o Comandante da Guarda Municipal, mediante requisição individual de todos os GM/GCM interessados no porte de arma de fogo “particular” deverá solicitar que seja consignado o número de sua arma de fogo e modelo no próprio porte funcional, não há necessidade de novos ofícios, novos documentos e outros entraves, pois já cumpriu todos os requisitos técnicos e legais, na requisição ao Comandante o GM/GCM deverá encaminhar cópia do respectivo CRAF emitido pelo SINARM, tudo na conformidade do que está disposto na Portaria Administrativa DG 365 da Superintendência Nacional de Polícia Federal, como afirmado anteriormente, há muita “fumaça”, “Invenção” e “folclore” relacionados a essas questões, no desconhecimento dos inocentes, os espertos se sobressaem, eliminando direitos líquidos e certos.
7. Há alguma consequência legal para o GM/GCM que efetuar disparo de arma de fogo em via pública ou no interior de um estabelecimento estando de serviço ou de folga?
Sim, a legislação faz a previsão da apuração imediata por parte da Administração, tal procedimento deverá ser levado a feito para que se constatem os motivos, razões e circunstâncias do disparo de arma de fogo, armas devem ser disparadas em treinamentos ou em casos extremos onde a vida ou a incolumidade do GM/GCM ou de terceiros estejam em iminência de serem atingidas, fora desses casos não há “disparo de advertência”, “tiro para cima”, “tiro para espantar ladrão”, disparo é disparo e tem de ser investigado, caso não seja elencada nenhuma circunstancia que elimine o ato típico previsto como crime (Arremesso de projétil), o GM/GCM sofrerá as consequências previstas em legislação, sem prejuízo da punição administrativa que às vezes é bem mais severa que a punição criminal, lembrando os navegantes: “Uso de arma de fogo é medida extrema”, uma vez disparado, o projétil não retorna ao cano, o GM/GCM deve estar condicionado física, mental e psicologicamente para agir de forma profissional e correta, quem efetua disparos sem analisar as consequências é marginal, o policial age somente dentro da necessidade, oportunidade e legalidade, observando ainda a questão da qualidade de suas ações.
8. O Guarda Municipal que atingir uma pessoa por disparo de arma de fogo, responde pelo fato?
-Sim, em qualquer circunstância onde houver disparo de arma de fogo com consequente lesão a alguém, o agente (Guarda Municipal) deverá responder pelo fato até que seja totalmente esclarecida a razão, motivo e circunstancia em que ocorreu o disparo, ocorrendo o evento lesão corporal ou óbito haverá necessariamente um inquérito, tal investigação deverá ocorrer em duas esferas, uma judicial e outra administrativa, é a regra geral, o principio da indivisibilidade processual não permite ao Estado escolher a quem vai processar.
9. A Autoridade que assinou o convênio do Porte de Arma ou o Comandante que assinou o respectivo Porte de Arma de Fogo, respondem subsidiaria ou conjuntamente com o autor do disparo (Guarda Municipal)?
-Em absoluto, isso não existe e nunca existiu!!! (Folclore jurídico de novo), a assinatura de convênio é formalidade administrativa é ato de oficio do Gestor Público, a emissão do documento de porte de arma de fogo é uma obrigação funcional do Comandante da Guarda Municipal, essas pessoas não respondem e não podem ser responsabilizadas por atos individuais dos servidores, isso não ocorre nas Forças Armadas, Policias Civis, Policias Militares, Polícia Federal, e Bombeiros Militares, porque teria de ocorrer nas Guardas Municipais??? Não há qualquer previsão legal para isso, cada um responde pelos seus atos de maneira individual, o GM/GCM que cometer crime utilizando arma de fogo da corporação ou particular responderá de forma solitária perante a Autoridade Judicial e Junta Disciplinar, no Brasil a pena não passa da pessoa do agente, somente observar a inteligência do chamado principio da intranscendência ou da responsabilidade pessoal pelos atos praticados, nosso sistema jurídico não faz tal previsão.
-GM/GCM, você é antes de tudo um CIDADÃO BRASILEIRO, e tem direito a ter direitos, entre os quais o DIREITO A LEGITIMA DEFESA, a arma de fogo não é uma questão de torna-lo superior, melhor ou mais forte diante dos outros, mas de te proporcionar meios efetivos de defesa em caso de ataque a sua vida ou de terceiros, até daqueles que lhes negam seus direitos, minhas cordiais e sinceras saudações em Azul Marinho, sejamos vigilantes e diligentes da defesa de nossos direitos, cumprindo por bem os nossos deveres, minha respeitosa continência caros irmãos e irmãs.
Elvis de Jesus
Inspetor Regional de GCM
Instrutor de Tiro Defensivo na Preservação da Vida “Método Giraldi”
Instrutor de Armamento e Tiro “Stress Fire Combat”
Instrutor de Uso Progressivo da Força